Atiradores matam 49 em ataque a mesquitas na Nova Zelândia

A primeira-ministra do país, Jacinda Ardern, afirmou em entrevista que o ataque foi planejado e que possui as características de um ataque terrorista 

Dois ataques terroristas simultâneos a mesquitas na Nova Zelândia deixaram ao menos 49 mortos, nesta sexta-feira (15), na cidade de Christchurch. Outras 48 pessoas foram feridas pelos disparos e estão nos hospitais da cidade.

A informação é da Polícia da Nova Zelândia e foi confirmada pela primeira-ministra do país, Jacinda Ardern.

Segundo o chefe da polícia Mike Bush, quatro pessoas foram detidas, três homens e uma mulher, suspeitos de participarem dos ataques.

Um homem armado entrou em uma mesquita chamada Masjid Al Noor e disparou contra os fieis. Neste ataque, 41 pessoas morreram. O atirador também teria feito uma transmissão ao vivo do ataque em uma rede social.

Ainda de acordo com Jacinda Ardern, a polícia informou que encontrou explosivos no carro de um suspeito e que eles foram desarmados. 

Mais cedo, a primeira-ministra evitou confirmar o número de vítimas no ataque, definido por ela como “um ato de violência extraordinário e sem precedentes”, no que descreveu como “um dos dias mais sombrios da Nova Zelândia”.

Entre 300 e 500 pessoas estavam dentro da mesquita quando um homem, utilizando uma arma automática, começou a disparar. De acordo com uma testemunha, o agressor usava um capacete, óculos e uma jaqueta militar.

A porta-voz da comunidade muçulmana, Mustafa Farouk, disse que pelo menos seis pessoas ficaram feridas, duas delas gravemente, no ataque à mesquita, segundo a rádio New Zealand.

A polícia bloqueou o centro da cidade, localizada na ilha sul da Nova Zelândia, e pediu para a população que permaneça nas suas casas enquanto procura pelos agressores.

Pelo Twitter, a polícia afirmou estar “recorrendo a todas as suas capacidades para lidar com essa situação, mas o risco ainda é muito alto”.

Entre os fiéis que encontravam-se na mesquita, estavam vários membros do equipe de críquete de Bangladesh, que tinha programada a disputa de um jogo, nesta sexta-feira, contra a Nova Zelândia.

Equipes de resgate atendem aos feridos depois de ataque na Nova Zelândia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *