Mãe de Jorge Fernando, atriz Hilda Rebello morre dois meses após o filho

A atriz Hilda Rebello, mãe do ator e diretor Jorge Fernando (1959-2019) morreu neste domingo (29), aos 95 anos. Ela estava internada no Hospital Pró-Cardíaco, no Rio de Janeiro, onde deu entrada com infecção respiratória. O último trabalho da atriz foi em Haja Coração, como Dona Marieta, em 2016. A morte dela acontece apenas dois meses após a morte de seu filho. A notícia foi confirmada por familiares de Hilda pelo Instagram.

A filha dela, Maria Rebello, publicou stories com foto do crachá da mãe na Globo e a palavra “luto”. O perfil oficial de Jorge Fernando também anunciou a morte da atriz: “Amigos, gostaríamos de informar que nossa amada e doce atriz Hilda Rebello, vózinha, mãe, bisa e amiga de todos, faleceu hoje! Descanse em paz, matriarca dos Rebellos. Corre pros braços do seu filho querido, Jorge Fernando”.

O corpo de Hilda será cremado, e velório acontecerá nesta segunda (30), das 10h às 13h30, na capela 1 do Crematório da Penitência, no Rio de Janeiro.

A saúde de Hilda ficou debilitada desde a morte do filho, em outubro deste ano, vítima de uma parada cardíaca. No dia 22 de dezembro, a família do diretor informou sobre a internação e pediu orações.

“Queremos pedir uma corrente de orações para a vozinha Hilda Rebello, que está no CTI do Hospital Pró-Cardíaco. Desde a partida do seu filho, Jorge Fernando, tem sido difícil se manter forte e agora, aos 95 anos, precisa reverter um quadro complicado de infecção respiratória”, disse o comunicado postado no Instagram.

Nascida em 30 de setembro de 1924, no Rio de Janeiro, Hilda de Medeiros Rebello iniciou carreira artística aos 64 anos após ficar viúva. Fez um curso de teatro para a terceira idade. Posteriormente revelou que quem pagou as aulas foi a amiga Louise Cardoso. Os filhos, Jorge e Maria Rebello, aprovaram a empreitada. Da família recheada de artistas, também contou com o apoio da neta, a atriz Maria Carol, que viveu Diana em Verão 90.

Após três anos de curso, soube pelo filho que a produção de Que Rei Sou Eu? (1989) estava em busca de elenco. Após fazer testes e ser aprovada, estreou na televisão naquele ano. Tal fato lhe rendeu um registro no Livro dos Recorde , de 1994, como a atriz que começou a carreira com idade mais avançada, aos 70 anos.

Em 1989, Hilda fez também Top Model. Em 1990, integrou o elenco de Rainha da Sucata e foi nessa trama que começou a ter falas atuando ao lado do filho e Antônio Fagundes. No mesmo ano, estrelou a minissérie Boca do Lixo. Em 1991, se destacou como Hermínia em Vamp sob direção de Jorginho.

Em sua carreira, fez várias novelas com o filho. Em entrevista ao Fantástico, em novembro de 2019, ela falou sobre como era trabalhar com o herdeiro. “Carinhoso, bondoso, professor. Mas era muito enérgico. Ele não deixava passar nada. E quando eu fazia uma cena boa, ele cantava, ria, brincava”, contou.

Nos anos 1990, Hilda fez parte do elenco de A Próxima Vítima (1995), Zazá (1997) e Vila Madalena (1999). A partir dos anos 2000, atuou em Uga Uga (2000), Chocolate com Pimenta (2003), Alma Gêmea (2005), Cobras e Lagartos (2006), Sete Pecados (2007) e Caras & Bocas (2009). 

No cinema, participou da produção Menino Maluquinho – O Filme, de 1995, e se destacou como a avó do protagonista. Também chamou atenção em Irmã Vap – O Retorno (2006) e A Guerra dos Rocha (2008).

Isolamento

Após a morte de Jorge Fernando, Hilda se isolou em sua casa ouvindo áudios e vendo presentes antigos enviados pelo filho. De acordo com uma das cuidadoras da atriz, ela chorava muito a perda, além de evitar receber visitas ou falar ao telefone.

Em novembro de 2019, uma funcionária da senhora contou ao jornal Extra sobre o difícil momento de luto. “Eles eram muito unidos. Ao ir e voltar das viagens, [ele] pedia a bênção da mãe. Ao retornar da Europa, ele disse que estava bem e iria vê-la no dia seguinte. Mas esse dia nunca chegou”, disse a cuidadora identificada apenas como Elisete pela reportagem.

Como mãe e filho conversavam todas as noites, a morte também afetou o sono da idosa. Na época, a cuidadora relatou que ela custava a dormir, ia se deitar chorando e acordava no meio da noite dizendo estar com “um vazio”.

Ativa na Internet

Também em novembro último, Hilda usou o perfil do filho no Instagram para confortar os fãs do diretor artístico. Em um vídeo publicado no dia 8, a atriz desejou bom dia aos seguidores. “Ele hoje não está aqui, mas todos os dias dava bom dia a todos e é o que estou fazendo por ele”, explicou.

Na mensagem, mandou um conselho espiritual sobre a vida e a morte. “Agradeço a Deus por ter vocês como amigos. Olha o trem, não esquece que existe o trem espiritual, onde entra um, sai dois, três, entre quatro, no fundo é uma família que no fim da linha se encontra novamente”, proclamou.

(UOL)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *